OUÇA AO VIVO A 96FM
(82) 9-9672-7222 Whatsapp Diário Arapiraca
Dólar hoje R$ 3,252 Arapiraca, 21ºC Parcialmente nublado

Editorias

13/11/2017 21:30
Política
Aliado diz que Temer quase renunciou em maio
Uma carta de renúncia chegou a ser redigida, mas o texto acabou nunca vindo a público
/ Foto: Reprodução

 “Não renunciarei! Repito: não renunciarei! Sei o que fiz e sei da correção dos meu atos.” A fala de Michel Temer na tarde do dia 18 de maio escondia o fato de que o término antecipado de seu período no Planalto foi seriamente discutido nas tensas horas que se seguiram à revelação de que ele havia sido gravado de forma comprometedora no porão do Palácio do Jaburu.

Auxiliares confirmaram reservadamente à época que uma carta de renúncia chegou a ser redigida, mas o texto acabou nunca vindo a público. Oficialmente, ela nunca existiu.

Áudio de uma sessão sigilosa da CPI da JBS obtido pela Folha revela, no entanto, um dos principais aliados de Temer afirmando ter testemunhado, dentro do gabinete presidencial, a quase renúncia.

“Ele quase derrubou o presidente naquele dia 17. O complô era pro dia 18 o presidente renunciar. Quase conseguiu fazer o presidente renunciar! [eleva a voz] E quem tá lhe falando é quem tava dentro do gabinete!”

A fala é do relator da CPI, o peemedebista Carlos Marun (MS), um dos mais estrepitosos defensores de Temer no Congresso, integrante da tropa que liderou a rejeição das duas denúncias da PGR (Procuradoria-Geral da República).

O áudio é da sessão secreta do dia 18 de outubro, quando a comissão ouviu o depoimento do advogado e delator da JBS, Francisco de Assis e Silva.

O “ele” a quem Marun se refere é Joesley Batista, responsável por gravar Temer.

As informações são de reportagem de Camila Mattoso e Ranier Bragon na Folha de S.Paulo.

Fonte: Brasil 247

 

 


Link da página:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Política