OUÇA AO VIVO A 96FM
(82) 9-9672-7222 Whatsapp Diário Arapiraca
Dólar hoje R$ 3,141 Arapiraca, 20ºC Tempo nublado

Notícias

17/07/2017 09:30
Brasil
'É uma luta diária', diz advogado negro que foi barrado em bar de Curitiba
Juliano Trevisan, 27 anos, foi barrado por funcionários porque eles acharam que o jovem poderia ser confundido com segurança. Bar publicou retratação e diz ter demitido colaboradores.
/ Foto: G1

 Se por um lado o advogado Juliano Trevisan, que foi barrado em um bar de Curitiba, ficou assustado com a dimensão que o seu relato alcançou nas redes sociais, por outro, ele se sentiu encorajado – mais uma vez – a dar continuidade ao debate sobre discriminação. "É uma luta diária", disse Juliano.

Juliano Trevisan é negro, tem 27 anos e foi a uma casa noturna com amigos. Vestido com camisa preta, calça social, sapato marrom e gravata preta, ele foi informado por funcionários que não poderia entrar porque seria confundido com um segurança. Ele simplesmente foi embora.

No dia seguinte, em uma carta aberta no Facebook, dividiu o constrangimento. Inicialmente, o desabafo era apenas para amigos, mas cada compartilhamento demonstra que esta pode ser a realidade de muitos.

“Quando eu publiquei, não sabia que ia ter uma repercussão tão grande. Eu fiquei assustado. Na verdade, eu ainda estou meio assustado, mas surgiu uma função social por trás disso tudo”, disse Juliano.

Desde o desabafo, o advogado tem recebido inúmeras mensagens de pessoas que passaram por situações semelhantes.

O cenário da história de Juliano é o James Bar. Os responsáveis pelo local divulgaram uma retratação pública, dizendo que a atitude dos funcionários não condiz com que acreditam. Os dois colaboradores, de acordo com o bar, foram demitidos.

Mesmo com a retratação, os responsáveis pela casa noturna chamaram Juliano Trevisan para uma conversa nesta semana. O caso aconteceu na quinta-feira (13).

Ele disse que ainda não sabe qual atitude vai tomar a partir de agora, mas acha essencial que a história não tenha um ponto final neste momento.Há também a repercussão negativa. Segundo Trevisan, ele recebeu mensagens de pessoas incitando a violência, falando em destruir o bar. Surgiram ainda generalizações que incomodam o advogado.
“Muita gente generalizando, falando que Curitiba é preconceituosa, que o Brasil é uma merda. Eu acho errado generalizar desta forma.

Quando você fala em discriminação, não é a parede, uma estrutura, não é um prédio que comete a discriminação contra você. Não é uma região geográfica que comete discriminação. São as pessoas. Então, se elas estão em cargo de gerência em uma casa ou trabalhando em qualquer função, se elas não mudarem a cabeça, vão continuar reproduzindo discriminação.”

 

 

 

 

Fonte: G1
 


Link da página:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Brasil