OUÇA AO VIVO A 96FM
(82) 9-9672-7222 Whatsapp Diário Arapiraca
Dólar hoje R$ 3,768 Arapiraca, 24ºC Parcialmente nublado

Notícias

10/06/2018 10:21
Economia
Copa deve aumentar as vendas de camisetas de seleções desconhecidas
Empresário vende camisas que não são comercializadas em lojas grandes. Clientes são colecionadores dispostos a gastar com esse tipo de produto.
/ Foto: G1

  A equipe do PEGN foi conhecer um empresário que está torcendo para a Copa do Mundo chegar logo. Renato Martins é dono de uma loja especializada em camisas de times e seleções de futebol mais desconhecidas. Daquelas que não costumam frequentar o topo da tabela, mas que são a paixão de colecionadores dispostos a gastar com isso. O futebol não é feito de apenas de vencedores.

O Renato Martins virou especialista em guardar essa história em camisas. Ele viajava muito para fora do país e sempre ajudava os amigos fanáticos como ele.

“Eles pediam mais os times desconhecidos. Não pedia Barcelona, Real Madrid, Bayer de Munique. Desses times você acaba achando nas grandes redes. Eles pediam os times mais difíceis de arrumar", conta o empresário.

Renato investiu R$ 30 mil e, quatro anos depois de começar, tem mais de 1.000 modelos de camisas na loja. São camisas que não tem mais nas lojas grandes, nem nas lojas virtuais dos clubes, porque eles só trabalham com a camisa da temporada corrente, a temporada atual. Peças únicas, algumas com mais de 30 anos, que ele compra de colecionadores para revender.

“A gente teve uma camisa da França de 1982, que foi considerada por uma revista inglesa especializada em futebol, uma das 50 camisas mais bonitas da história do futebol”, fala Renato.

“Tem uma da seleção da Occitânia, é uma região do norte da França, que querem independência. É uma seleção que não é da Fifa, e é a camisa que a gente tem mais cara na loja”, conta o empresário.

O valor da camisa é R$ 500. As raras saem por volta disso, mas o preço médio das outras camisas é de R$ 170. São vendidas cerca de 80 por mês.

Renato também permite que colecionadores deixem as camisas em consignação. É possível também fazer trocas por outras peças na loja.

A loja virou ponto de encontro para tudo que é relacionado a futebol. E em ano de Copa do Mundo, como a febre é o álbum de figurinhas, os clientes agora podem ir ao local para fazer as trocas, e de quebra ainda fica difícil resistir a uma camiseta.

Os encontros e outros eventos que o Renato realiza, ajudam nas vendas e divulgação da loja. O empresário não revela o faturamento. Mas está esperando uma goleada com a chegada da Copa.

“Nunca vivi uma Copa inteira com a loja aberta. Eu acho que vai dar uma alavancada. Mesmo porque a gente vai montar um cenário especial, vamos colocar as camisas das seleções todas de frente, fazer promoções, encontros, torneios e eventos visando a Copa do Mundo”, completa Renato.

 

 

 

 

 

 

Fonte: G1 


Link da página:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Economia