OUÇA AO VIVO A 96FM
(82) 9-9672-7222 Whatsapp Diário Arapiraca
Dólar hoje R$ 3,763 Arapiraca, 20ºC Estrelado

Notícias

07/06/2018 17:45
Justiça
Acusado de matar amiga da ex-mulher é condenado a mais de 19 anos de reclusão
Motivação do crime seria uma conversa, em rede social, em que a vítima aconselhava a companheira do réu a pedir a separação.
Bruno Laurindo foi condenado por crime cometido em 2016, no bairro Ouro Preto, em Maceió. / Foto: Assessoria

 O Conselho de Sentença do 1º Tribunal do Júri de Maceió condenou a 19 anos, sete meses e cinco dias de reclusão, em regime inicialmente fechado, Bruno Laurindo do Nascimento, acusado de assassinar Daniella dos Santos, em 2016. O julgamento, nessa quarta-feira (6), ocorreu no Fórum do Barro Duro e foi conduzido pelo juiz Sóstenes Alex Costa de Andrade.

O caso ocorreu no dia 11 de novembro, na rua Boa Vista, no bairro Ouro Preto. De acordo com a denúncia, o crime foi consumado após a vítima aconselhar a companheira do réu a pedir a separação. O diálogo, acompanhado de um convite para uma festa, teria acontecido por meio de uma rede social.

Insatisfeito após ter acesso ao bate-papo, o réu se dirigiu à casa de Daniella e começou a lhe questionar sobre o assunto. Minutos depois, Bruno efetuou disparos contra a vítima, que não resistiu aos ferimentos.

O promotor de Justiça Humberto Pimentel contou que a discussão entre vítima e réu apareceu durante a investigação. "As testemunhas viram quem atirou, mas não sabiam dizer quem era, não o conheciam. Então, através do celular da vítima, a polícia periciou esse aparelho e viu que ela tinha tido problemas relacionados a ciúmes do acusado em relação à esposa. A partir daí houve o reconhecimento das pessoas que viram o assassino e afirmaram que realmente foi ele".

O réu foi defendido pelo defensor público Marcelo Barbosa Arantes, que sustentou a tese de negativa de autoria.

Depoimento das testemunhas

A primeira testemunha a ser ouvida foi Juliana Patrícia Tenório, que estava bebendo com Daniella próximo à casa da vítima. De acordo com a testemunha, ela viu quando um homem chegou de bicicleta e a vítima foi falar com ele, em um local mais reservado, mas não conseguiu ver quem era a pessoa, apenas identificou sua cor de pele, estatura e tipo físico. Após um tempo, a testemunha teria escutado os disparos.

A mãe, Ana Lúcia dos Santos, e o tio da vítima, Carlos Antônio dos Santos, reconheceram Bruno como sendo o autor dos disparos. A mãe de Daniella disse que o acusado teria chamado a vítima e dito "Você recebeu muito bem para dizer isso". Em seguida, pediu um copo com água e tomou um comprimido. Nesse momento, Daniella teria pedido para conversar em outro lugar, porque os pais tinham problemas do coração.

Após isso, a mãe ouviu um tiro e viu quando Bruno teria passado com a arma na mão e mandado ela entrar, se não atirava. Ela disse ainda que ficou com depressão e tem medo de sair de casa. "Eu só vivo dopada de remédio. Minha vida acabou, tirou a minha filha que era tudo que eu tinha", disse.

Assessoria TJ AL


Link da página:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Justiça