OUÇA AO VIVO A 96FM
(82) 9-9672-7222 Whatsapp Diário Arapiraca
Dólar hoje R$ 3,308 Arapiraca, 25ºC Parcialmente nublado

Notícias

11/10/2017 21:26
Justiça
Caso Giovanna: Júri absolve Mirella Granconato pelo crime de homicídio
Ela vai cumprir pena em liberdade e deverá pagar uma indenização à família da vítima e prestar serviços para comunidade.
/ Foto: Reprodução G1

 Mirella Granconato Ricciardi foi absolvida do crime de homicídio, mas condenada pela ocultação do cadáver da universitária Giovanna Tenório durante o júri popular, presidido pelo juiz John Silas, nesta quarta-feira (11), no Fórum da Capital, em Maceió.

Diante da situação ela deve cumprir pena em liberdade prestando serviços para comunidade, como também, deverá pagar uma indenização no valor de R$ 20 mil à família da estudante.

O promotor de Justiça Antônio Villas Boas, responsável pela acusação no processo disse que vai recorrer da decisão.

“Vamos recorrer por entender que a decisão dos jurados foi manifestamente contrária à prova dos autos. Além disso, foi incongruente. Não se justifica”, expôs.

Familiares de Giovanna Tenório se demonstraram decepcionados com a decisão e disseram que vão se mobilizar para realizar atos nas redes sociais para cobrar um novo julgamento do caso e justiça.

Depoimento

O júri popular considerou procedente as alegações da defesa de Mirella Granconato, assim como, o depoimento dela que negou envolvimento no crime.

"Não fiz isso. Mais do que ninguém aqui dentro eu quero que a verdade apareça para eu voltar para casa hoje. Quero minha vida de volta. Meus familiares estão passando constrangimento. Quero a verdade e que ela apareça. É o que eu espero", expôs Mirella durante o júri.

Acusação

Mirella chegou ao banco dos réus como autora intelectual do crime registrado em junho de 2011 que tirou a vida da estudante universitária Giovanna Tenório.

No entendimento da acusação, Mirella Granconato encomendou a morte de Giovanna Tenório porque a estudante teria um relacionamento amoroso com Antônio de Pádua Bandeira, que a época era esposo de Mirella.

Ela ficou casada com Bandeira por cerca de 9 anos e estão separados há pouco mais de um ano. Eles têm dois filhos, um de 7 e outro de 10 anos.

Bandeira não é acusado no processo. Ele chegou a ser preso preventivamente, mas nunca foi denunciado. Quando o juiz perguntou à Mirella se ele tem envolvimento no assassinato, a ré disse que não sabe. "Se eu soubesse, diria".

No entanto o motorista de caminhão Alberto Bernardino da Silva, que prestava serviços para Bandeira, foi condenado a 29 anos de prisão em setembro deste ano pela morte da universitária. Na ocasião, o júri popular entendeu que ele foi o autor material responsável pela morte e ocultação do corpo da universitária.

Crime

 

Giovanna desapareceu em 2 de junho de 2011, próximo à faculdade onde estudava fisioterapia, no bairro do Farol. O corpo da vítima foi encontrado dias depois, em um canavial entre os municípios de Rio Largo e Messias.

Fonte: G1


Link da página:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Justiça