OUÇA AO VIVO A 96FM
(82) 9-9672-7222 Whatsapp Diário Arapiraca
Dólar hoje R$ 4,088 Arapiraca, 20ºC Estrelado

Notícias

13/09/2018 20:15
Mundo
Esquerda vence eleição na Suécia, centro-direita fica em segundo
Coalização de esquerda e aliança de direita não têm maioria para governar e tentam acordo
? Stefan Lofven, do Social Democratas; Ulf Kristersson, líder dos Moderados e Jimmie Akesson, dos Democratas da Suécia. / Foto: Reprodução

 O bloco governamental de esquerda venceu as eleições gerais na Suécia por apenas uma cadeira de diferença, com 40,7% dos votos e 144 parlamentares contra 40,2% e 143, respectivamente, da centro-direita, terminada nesta quinta-feira (13) a apuração, que inclui os votos no estrangeiro.

Trata-se de um resultado preliminar atualizado, que inclui a apuração de cerca de mais 200 mil cédulas, as procedentes do exterior e votos antecipados que chegaram com atraso.

O resultado definitivo e oficial, após uma nova apuração de todas as cédulas, deve ser divulgado na sexta-feira (14).

A Aliança de centro-direita recuperou a cadeira que um de seus membros, o Partido de Centro, tinha perdido para o Democratas da Suécia (SD) há dois dias, após um erro na apuração de um distrito ser corrigido.

O Partido do Meio Ambiente, por sua vez, tirou outra vaga dos social-democratas, embora esta última variação não altere o equilíbrio entre blocos.

Segundo o resultado preliminar, que inclui votos no exterior e votos antecipados que chegaram atrasados, o Partido Social-Democrata do primeiro-ministro, Stefan Löfven, foi o mais votado com 28,3%, seguido do Partido Moderado (conservador), com 19,8%, e o ultradireitista Democratas da Suécia (SD), com 17,5%.

Segundo este resultado, o Partido Social-Democrata de Löfven ganhou as eleições com 28,3%, quase três pontos menos que em 2014 e o pior resultado de sua história.

O Partido Moderado ficou em segundo com 19,8%, os piores números desde 2002, seguido pelo SD, que com 17,5% consolida sua posição como terceira maior força política e possível fiel da balança para a formação de um novo Executivo, embora até agora os outros partidos não queiram contar com seu apoio.

O bloco governamental liderado pelos social-democratas caiu três pontos percentuais e perdeu 15 cadeiras, a centro-direita melhorou seu resultado em nove décimos e duas vagas, e o SD ficou com 4,6 pontos e 13 assentos a mais.

Sem acordo com extrema-direita

Tantos os líderes dos partidos da Aliança – conservadores, centristas, democratas-cristãos e liberais que fazem oposição ao governo – como Löfven concordaram ontem em pronunciamentos separados em descartar qualquer possível negociação com a extrema-direita sueca.

Além disso, o grupo opositor pediu a renúncia do primeiro-ministro em fim de mandato Löfven e ao mesmo tempo o convidou para conversar.

A centro-direita considera que é a alternativa conjunta de governo natural porque conta com mais apoio que o atual Executivo, já que não inclui em seus cálculos o Partido de Esquerda, aliado externo do Executivo.

A Aliança enviou uma carta ao presidente do Parlamento para pedir que se Löfven não renunciar antes, seja votada uma moção de censura contra ele quando a nova composição da Casa for formada no próximo dia 25.

O primeiro-ministro descartou que vá renunciar e voltou a abrir os canais de diálogo com a Aliança para romper a política de blocos, considerando que o “razoável” seja que o partido mais votado lidere o governo.

Fonte: EFE e G1

 


Link da página:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Mundo