OUÇA AO VIVO A 96FM
(82) 9-9672-7222 Whatsapp Diário Arapiraca
Dólar hoje R$ 3,265 Arapiraca, 22ºC Alguns chuviscos

Notícias

09/01/2017 10:37
Mundo
Trump chama Meryl Streep de 'amante de Hillary'
Presidente eleito dos EUA disse ao 'NYT' que não ficou surpreso com declarações. No Twitter, ele escreveu que atriz é 'superestimada
/ Foto: Reprodução
G1

 O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, classificou Meryl Streep como "amante de Hillary [Clinton]", ao reagir ao discurso da atriz no Globo de Ouro, que aconteceu neste domingo (8). Homenageada na premiação, a atriz celebrou a diversidade e fez críticas ao discurso anti-imigração do republicano.

Em entrevista por telefone ao "The New York Times" na manhã desta segunda (9), Trump disse que não assistiu à fala de Streep, mas que não ficou surpreso com o ataque do que chamou de uma das "pessoas liberais do cinema".

Em sua página no Twitter, ele também comentou o assunto, criticando a atriz. "Meryl Streep, uma das atrizes mais superestimadas de Hollywood, não me conhece, mas me atacou ontem no Globo de Ouro. Ela é uma serva de Hillary."

O Globo de Ouro, cujos prêmios são entregues pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood (HFPA, na sigla original), foi o último grande evento de Hollywood antes da posse do novo presidente, em 20 de janeiro. A atriz foi condecorada com o Cecil B. DeMille Award, pelo conjunto da obra, e fez um discurso emocionado e contundente pró-estrangeiros nos EUA.

Em uma passagem bem-humorada, Streep chegou a dizer: "Hollywood está lotada de forasteiros e estrangeiros e, se os deportássemos, vocês não teriam nada para ver além de futebol e MMA".


Meryl Streep recebe o troféu Cecil B. DeMille pelo conjunto da obra no Globo de Ouro 2017

Imitação

Ela também criticou o Trump por imitar um jornalista com doença congênita durante um discurso a apoiadores na campanha presidencial. "Quando algo assim é feito por alguém poderoso, impacta a vida de todos, porque meio que dá a permissão para que outros façam a mesma coisa. Desrespeito convida desrespeito. Violência incita violência."

Ao "New York Times", o republicano disse que não teve a intenção de ridicularizar o repórter. "As pessoas ficam dizendo que eu pretendia zombar da deficiência do repórter, como se Meryl Streep e os outros pudessem ler minha mente. Eu não fiz isso", afirmou.

No Twitter, Trump também se defendeu da acusação. "Pela centésima vez, eu nunca ridicularizei um repórter deficiente, nunca faria isso. Simplesmente o mostrei 'rastejante' quando mudou completamente uma reportagem de 16 anos atrás para me prejudicar."

 

 


Link da página:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Mundo