OUÇA AO VIVO A 96FM
(82) 9-9672-7222 Whatsapp Diário Arapiraca
Dólar hoje R$ 3,256 Arapiraca, 25ºC Parcialmente nublado

Geral / Isve Cavalcante

Quem é Isve Cavalcante? Isve Cavalcante é radialista desde 1971. Ele nasceu na cidade de Caruaru, município de Pernambuco. Já trabalhou em várias rádios, prefeituras e emissoras de televisão. Atualmente apresenta o programa “Show de Notícias” na Rádio 96 FM Arapiraca.
26/01/2018 18:22:27
Ex-bancário desafia clientes com cachorro-quente de quase 2 quilos
Cachorro-quente de quase dois quilos, feito pelo 'Mek Japa', em São José do Rio Preto (SP) (Foto: Marcos Lavezo/G1) / Foto:

 C/Heloísa Casonato, G1 Rio Preto e Araçatuba

Para satisfazer o gosto do segundo grupo e atender aos mais esfomeados, um ex-bancário de São José do Rio Preto (SP) adotou o hot dog no saco plástico.

O saco plástico tem uma função primordial: fazer caber a maior quantidade possível de recheio.

Enquanto os lanches tradicionais recebem a quantidade de ingredientes que cabe no pão, neste, o pão é apenas um "detalhe".

Depois de colocado dentro do saquinho, ele é coberto por camadas e mais camadas de recheio, que vai desde batata-palha até carne moída.

O resultado é um lanche gigante, de quase dois quilos e 30 centímentros de altura, e aspecto, digamos, diferente. 

Em Rio Preto é normal ter lanches grandes, mas o cachorro-quente gigante não existe na região.

Como as pessoas comiam de dois a três lanches pequenos, resolvi criar o médio, que pesa quase um quilo.

Mas percebi que nem o médio estava sustentando os clientes, então criei o grande que pesa cerca de 1,7 quilo.

Acredito que, agora, não tem como criar um cachorro-quente maior que este”, explica Luiz Hideo Savay, conhecido como “Mek Japa”.

O ex-bancário de 55 anos já passou mais da metade da vida saciando a fome de moradores e turistas em Rio Preto.

Ele dá até instruções de como degustar a gigantesca iguaria. "Tem que empurrar de baixo para cima e ir comendo, sem talher mesmo."

Confira a lista de ingredientes

pão de leite
até cinco salsichas
maionese
ketchup
mostarda
requeijão
batata palha (em quantidades generosas)
carne moída
frango desfiado
O uso do saco plástico transparente também é fundamental. "Tem que ser transparente para o cliente ver as camadas de recheio que formam o lanche", defende Luiz.

O cachorro-quente custa R$ 37, mas pode sair de graça e até render uma grana se o cliente conseguir comer dois lanches em uma hora.

Ou seja, quase 4 quilos de uma mistura de pão, salsichas, batata-palha, frango desfiado, carne moída e molhos.

O comerciante garante que um cliente já recebeu R$ 500 por ter conseguido a proeza.

A dupla do G1 bem que tentou, mas não foi possível dar conta sequer de um lanche inteiro. 

Luiz conta que resolveu criar o “Mek Japa” há 36 anos, quando se endividou ao comprar uma casa. Ele pediu a opinião de seu pai, que sugeriu a venda dos lanches.

“Meu pai já vendia cachorro-quente, então ele simplesmente me disse que se eu não tivesse vergonha, poderia começar as vendas, assim eu pagaria a dívida e sairia do banco”, lembra.

Para poder se destacar entre a concorrência, o ex-bancário teve a ideia de fazer o lanche gigante.

“Depois de pesquisar os tipos de cachorro-quentes vendidos em Rio Preto, decidi ser diferente e caprichar no lanche.

E deu certo. O que eu ganhava em um mês no banco passei a ganhar em uma semana. Decidi sair do banco há 36 anos.

Sou bancário, mas me orgulho em trabalhar vendendo cachorro-quente”, afirma.

 

 

 

 

 

 


Link da página:
O portal Diário Arapiraca não se responsabiliza pelos conteúdos publicados nos blogs dos seus colaboradores.

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Isve Cavalcante