OUÇA AO VIVO A 96FM
(82) 9-9672-7222 Whatsapp Diário Arapiraca
Dólar hoje R$ 3,261 Arapiraca, 21ºC Tempo nublado

Literatura & Saúde / Sandro Lins

Quem é Sandro Lins? É médico pediatra, perito em trânsito, membro da ACALA (Academia Arapiraquense de Letras e Artes), ex-secretário de Saúde de Craíbas e gosta de dar opinião sobre tudo.
20/05/2017 19:24:35
Conselho de Medicina traz para Arapiraca curso sobre Febre Amarela
Organizadores do curso / Foto: internet

 "Inclinando-se sobre ela, ordenou ele à febre, e a febre deixou-a. Ela levantou-se imediatamente e pôs-se a servi-los. (São Lucas 4, 39)"

Conselho Regional de Medicina de Alagoas realizou hoje um curso de atualização em febre amarela, sífilis e esquistossomose, para profissionais da área de saúde em Arapiraca. O evento trouxe o dream time da infectologia em Alagoas: os médicos Celso Tavares, José Maria Constant e Fernando Pedrosa, o atual presidente do Conselho Regional de Medicina. O curso teve a presença de Paulo Roberto Protázio, mostrando o trabalho da equipe de controle de vetores ( os mosquitos transmissores ), em nossa cidade e região, além do biólogo Carlos Fernando Rocha Santos, coordenador estadual do controle de vetores e arbovírus.


O curso foi motivado pela morte de um macaco por febre amarela no Bairro da Gruta de Lourdes, na capital Maceió, ter confirmação pelo Instituto Evandro Chagas, e outra morte de primata não humano ( macaco sagui ) na divisa do estado, na cidade de Paulo Afonso, na Bahia. No Brasil já são 392 mortes suspeitas por febre amarela urbana com 260 óbitos confirmados, trazendo a maior epidemia da doença desde 1952, quando em Sena Madureira no Acre, ocorreram 220 casos.


Apesar de ter corrido nas redes sociais uma versão de que a tragédia de Mariana, com a barragem rompida da mineradora, tenha causado a epidemia atual, a verdade mais evidente é que a tragédia atual pode ser um efeito colateral da corrupção em nosso país, e do desmantelamento do PNI – Programa Nacional de Imunizações, outrora orgulho da saúde pública brasileira. A cobertura vacinal baixa é uma das explicações, em Minas Gerais, onde a vacinação é obrigatória, apenas metade da população estava vacinada. Também está faltando vacinas, somos o maior produtor mundial e a FIOCRUZ - Fundação Osvaldo Cruz, fabricante da vacina, passa sua maior crise, inclusive "uma intervenção extemporânea de natureza política" pela nomeação da derrotada nas eleições internas da instituição pelo atual presidente da república, mesmo com a Dra Nísia Trindade tendo obtido mais de 60% do apoio dos funcionários da instituição, foi escolhida a segunda colocada; como diria um amigo meu, um golpe na eleição da FIOCRUZ. Soma-se a isso que poucos municípios controlam a proliferação do mosquito aedes, que é o principal transmissor da doença urbana. No começo da epidemia em Minas Gerais a Febre Amarela matou quase 80% dos pacientes afetados, e o estado teve que contratar leitos de UTI e de Assistência Semi-Intensiva na Rede Particular, para mesmo assim, ainda ter mais de 30% de letalidade na doença. Alagoas, com sua precária estrutura de saúde pública, tem que investir na capacitação de seus profissionais, principalmente fazendo a pergunta mais importante na entrevista do paciente: “ você viajou nos últimos quinze dias para uma área onde está tendo casos de febre amarela?”. O V Centro de Saúde é o posto municipal de referência para quem precisa tomar a vacina antes de viajar para regiões de risco. Segundo a Organização Mundial de Saúde a vacina é segura em 99% dos vacinados, com uma única dose dando proteção para toda a vida, sendo indicada para pessoas de nove meses de idade até os 59 anos de vida. Este blogueiro participou do curso realizado no auditório da Unimed Metropolitana.


“Corrupção escondida vale tanto como a pública; a diferença é que não fede” Machado de Assis


Link da página:
O portal Diário Arapiraca não se responsabiliza pelos conteúdos publicados nos blogs dos seus colaboradores.

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Sandro Lins