OUÇA AO VIVO A 96FM
(82) 9-8225-0863 Whatsapp Diário Arapiraca
Dólar hoje R$ 5,650 Arapiraca, AL 32ºC Tempo nublado

Editorias

25/11/2021 10:41
Esporte
Morte de Diego Maradona ainda é cercada por mistério e acusações
Um ano depois, sete profissionais de saúde que estiveram com o ídolo em suas últimas horas de vida foram indiciados por homicídio
/ Foto: MAGALI DRUSCOVICH/REUTERS - 25.11.2020

Diego Maradona teria de ser controverso mesmo após a sua morte. Um ano depois de sofrer uma parada cardiorrespiratória fatal, completado nesta quinta-feira (25), o mais puro anti-herói é cercado de mistérios e acusações da Justiça da Argentina. Ao todo, sete profissionais de saúde foram indiciados por homicídio com dolo eventual.

Nesse tipo de homicídio, há o entendimento da pessoa de que suas atitudes podem resultar na morte de outra. Todos os indiciados estiveram com o ídolo, que havia completado 60 anos 26 dias antes, pelo menos nas últimas 12 horas antes da sua morte agonizante, como retrataram os peritos convocados pelo Ministério Público para maior entendimento do caso.

O trabalho da perícia, realizado em abril deste ano, concluiu que a equipe que cuidava de Maradona teve um desempenho “irresponsável e inadequado”, pois, depois da cirurgia para diminuir o hematoma no cérebro, era prudente deixá-lo mais tempo internado e, se recebesse alta hospitalar, que ele não fosse “abandonado à própria sorte”.

As palavras fortes sobre as últimas horas de vida do eterno camisa 10 comoveram os familiares, que ainda buscam respostas para a morte. Mais do que isso, uma legião de fãs do campeão mundial em 1986 quer a punição dos responsáveis — protestos na capital, Buenos Aires, e uma enorme comoção em todo o país estão previstos para esta quinta.

Nesse contexto aparecem o neurocirurgião Leopoldo Luciano Luque e a psiquiatra Agustina Cosachov. Os dois são acusados de ser os principais responsáveis pela morte do ídolo mundial. Caso sejam condenados, podem pegar de oito a 15 anos de prisão.

Além das questões de saúde, o nome de Maradona, mais precisamente as marcas ligadas a ele, atualmente está em posse de Matías Morla, advogado e ex-agente do ídolo. Segundo a imprensa argentina, 147 marcas relacionadas ao ex-jogador pertencem a Morla. As filhas, Dalma e Giannina, e a ex-esposa, Claudia, alegam irregularidades no registro. Segundo os familiares mais próximos, Morla e Luque teriam acordos em comum.

Maradona foi velado na Casa Rosada, sede do governo argentino, no dia seguinte a sua morte. De lá, foi levado em cortejo até o cemitério Jardim Bella Vista, na periferia de Buenos Aires. Boca Juniors e Napoli, times pelos quais jogou, além do Gimnasia y Esgrima, a última equipe em que atuou como treinador, são os que mais prestam homenagens ao El Diez.

Confira a seguir pontos polêmicos da morte de Maradona

Tratamento inadequado no hospital

Os peritos não foram capazes de afirmar que Maradona não teria morrido se tivesse tido um tratamento adequado. Ainda assim, discordaram da alta hospitalar recebida dias antes da morte. O tratamento psicológico deveria ter sido acompanhado da recuperação patológica.

Sofrimento antes da morte

Ainda segundo os peritos, os últimos momentos do ídolo argentino foram agonizantes. Os sinais de risco de vida foram ignorados pela equipe médica desde pelo menos 12 horas antes do óbito.

Acompanhamento ineficaz em casa

Uma vez em casa, esperava-se que a assistência de enfermagem contratada fosse mais eficiente. Os profissionais que lá atuaram, no entanto, não tinham sequer o controle dos movimentos do paciente, de acordo com os autos do processo.

Enterrado sem coração

Dias antes de a morte completar um ano, o jornalista argentino Nelson Castro, autor do livro A Saúde de Diego, disse em entrevista ao canal argentino El Trece que Maradona havia sido enterrado sem coração. Por dois motivos: para proteger o corpo de um possível ataque dos torcedores organizados e para esconder a causa da morte. O peso do órgão, segundo o autor, era quase o dobro do normal.

O neurocirurgião e a psiquiatra

Leopoldo Luciano Luque, o neurocirurgião que operou o ídolo e se encarregou da internação domiciliar, e a psiquiatra Agustina Cosachov, que chegou a realizar uma ressuscitação cardiopulmonar em Maradona, são os principais acusados no caso. Em diálogo trocado entre eles, Luque escreveu: “Parece que o gordo teve um ataque cardiorrespiratório e está para morrer. Não sei o que ele fez”.

Demais profissionais

Carlos Ángel Díaz (psicólogo), Nancy Edith Forlini (médica-chefe), Mariano Perroni (chefe dos enfermeiros), Dahiana Gisela Madrid (enfermeira do dia) e Ricardo Omar Almirón (enfermeiro da noite) são os demais profissionais de saúde indiciados. De alguma forma, todos eles estiveram com Maradona nas últimas horas de vida do craque.

Fonte: R7


Link da página:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Esporte