OUÇA AO VIVO A 96FM
(82) 9-8225-0863 Whatsapp Diário Arapiraca
Dólar hoje R$ 5,321 Arapiraca, AL 19ºC Parcialmente nublado

Editorias

16/05/2020 08:37
Política
Governo completa 500 dias sem comemorações devido à pandemia
No balanço dos 500 dias do governo de Bolsonaro
/ Foto: Reprodução
Redação com Rádio Agência Nacional

 No balanço dos 500 dias do governo de Bolsonaro nesta sexta-feira (15), ministros se solidarizaram com as famílias dos mortos pelo novo coronavírus. Um vídeo foi divulgado para mostrar o que o governo vem fazendo para combater a pandemia do coronavírus em todas as frentes.

 

O ministro da Casa Civil, Braga Neto, comparou o número de mortos no país, que teria a média por mil habitantes, menor do que em países como Bélgica, Estados Unidos, Espanha e Itália.

 

Mas o Brasil registra mortes por mil habitantes maior do que em outros países sul-americanos, como Argentina, Colômbia, Chile, Paraguai e Uruguai.

 

Segundo Braga Neto, o ex-ministro da Saúde, Nelson Teich, deixou o cargo por questões de foro íntimo, e o presidente respeita a ciência.

 

O ministro Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, diz que o momento não é de comemorar as ações do governo devido à pandemia. Ele ressaltou a liberdade de imprensa, mas criticou a cobertura dos meios de comunicação.


Ramos disse ainda que as mortes por outras doenças e acidentes é muito maior que as causadas pelo coronavírus.

 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a economia está sob ameaça, e que a saúde e a economia devem ser equacionadas para o país decolar.

 

Guedes defendeu o congelamento dos salários dos servidores até o próximo ano para que o governo aplique recursos em outras áreas.

 

O ministro da Economia disse que o governo é sério, e merece respeito, e respeita a liberdade de expressão. E que falta pouco mais de dois anos para a eleição, e que a democracia deve prevalecer.

 

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou que está realizando uma campanha de enfrentamento à violência doméstica.

 

Damares informou que ela e a primeira-dama Michele Bolsonaro irão à Ilha do Marajó, no Pará, entregar cestas básicas.


Link da página:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Política