05/10/2021 16:31:35
Brasil
Homem socorre mulher baleada e descobre ser sua filha
A vítima não resistiu aos ferimentos
Reprodução Redes Sociais Alessandra Tomie Watanabe Kokubun Fagundes, de 41 anos, foi vítima de latrocínio

 Um homem que testemunhou um assalto em frente ao seu restaurante e correu para socorrer a vítima, que havia sido baleada, descobriu que a mulher ferida era sua própria filha, a autônoma Alessandra Tomie Watanabe Kokubun Fagundes, de 41 anos.

Alessandra foi assaltada por cinco homens e acabou levando dois tiros. Ela não resistiu e morreu. O caso aconteceu na noite do último sábado (2), em Itanhaém, no litoral de São Paulo.

A prima de Alessandra, Rafaela Kohani Aoki, relatou à TV Tribuna, afiliada da TV Globo, que três dos criminosos simularam uma briga para disfarçar a tentativa de assalto. Assim como o pai da vítima, Rafaela também não tinha percebido, de início, que se tratava da prima.

– Na hora, eu não sabia que era ela, não tinha visto. O moço [criminoso] começou a gritar “tá doidona, tá doidona”, para acharem que era briga entre casal, que era o que todo mundo estava achando. Depois, parece que iam tentar ir para cima do moço, foi aí que ele pegou a arma e disparou para o alto – disse.

Após o disparo, todos ao redor se jogaram no chão e só correram para ver o que tinha acontecido depois que cessaram os disparos. Foi neste momento que encontraram Alessandra caída, com um tiro na cabeça e outro no abdômen. Ela chegou a ser socorrida para uma Unidade de Pronto Atendimento próxima, mas não resistiu.

– Meu cunhado [o pai de Tomie] foi lá acudir a pessoa, e, quando ele viu, era a filha dele. Ele não acreditou. Uma moça trabalhadora, guerreira. E ter acontecido isso com ela não é justo – disse a tia da vítima, Lúcia Watanabe Muniz.

Os criminosos fugiram no carro em que haviam chegado e no de Alessandra, que foi encontrado abandonado e incendiado. As autoridades afirmam que câmeras de segurança registraram o veículo dos suspeitos, incluindo a perseguição à empresária e a fuga após o crime.

O caso está sendo investigado como latrocínio, quando há roubo seguido de morte.

Fonte: Pleno News

E-mail: [email protected]
Telefone: (82) 9-9672-7222

©2021 - Diário Arapiraca | Portal de Notícias. Todos os direitos reservados.