OUÇA AO VIVO A 96FM
(82) 98876-8488 Whatsapp Diário Arapiraca
Dólar hoje R$ 5,432 Arapiraca, AL 23ºC Parcialmente nublado
Notícias
29/05/2024 07:43
Mundo

Veja o termo homofóbico que fez o Papa Francisco pedir desculpas após reunião com bispos

Francisco teria utilizado o termo "frociaggine", que em português significa algo como "viadagem", para se referir aos gays em uma conversa a portas fechadas com bispos italianos em 20 de maio
/ Foto: Daniel Marenco / Folhapress
Redação com Estadão Conteúdo

O papa Francisco pediu desculpas publicamente nesta terça-feira, 28, depois de a mídia italiana divulgar que ele usou um termo preconceituoso sobre homens gays para reafirmar a proibição da Igreja Católica a padres homossexuais.

O porta-voz do Vaticano, Matteo Bruni, emitiu uma declaração reconhecendo que Francisco teria utilizado o termo "frociaggine", que em português significa algo como "viadagem", para se referir aos gays em uma conversa a portas fechadas com bispos italianos em 20 de maio.

Bruni disse que Francisco está ciente dos relatos e lembrou que o papa argentino, que fez da aproximação de católicos com LGBTQ+ uma característica marcante de seu papado, há muito tempo insiste que há "lugar para todos" na Igreja Católica.

"O papa nunca teve a intenção de ofender ou expressar-se em termos homofóbicos, e ele estende suas desculpas àqueles que foram ofendidos pelo uso de um termo que foi relatado por outros", disse Bruni.

Entenda o caso - Nesta segunda-feira, 27, a mídia italiana citou bispos italianos anônimos como fonte para informar que Francisco, de brincadeira, usou o termo "viadagem" ao reafirmar a proibição do Vaticano sobre a entrada de homens gays em seminários e a formação deles como padres.

A proibição do Vaticano sobre padres gays foi articulada em um documento da Congregação de 2005, que tinha como intuito a promoção da Educação Católica. Mais tarde, essa proibição foi repetida em um documento de 2016, que dizia que a igreja não pode admitir em seminários ou ordenar homens que "pratiquem homossexualidade, apresentem tendências homossexuais profundamente enraizadas ou apoiem a chamada cultura gay."

De acordo com a mídia italiana, Francisco reafirmou fortemente essa posição em sua reunião de 20 de maio com os bispos italianos, brincando que "já há um ar de viadagem" nos seminários. O italiano não é a língua materna de Francisco, e o papa argentino já cometeu gafes linguísticas no passado.

Aos 87 anos, Francisco frequentemente fala informalmente, faz piadas usando gírias e até palavrões em privado. Ele é conhecido, porém, por seu alcance aos católicos LGBTQ+, começando por seu famoso comentário "quem sou eu para julgar", feito em 2013 sobre um padre que supostamente teve um amante no passado.


Link da página:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Mundo