OUÇA AO VIVO A 96FM
(82) 9-9672-7222 Whatsapp Diário Arapiraca
Dólar hoje R$ 3,776 Arapiraca, 26ºC Estrelado

Editorias

15/03/2019 16:33
Arapiraca
Escola de Arapiraca apresenta projeto na maior feira científica do País
Escolas Izaura Antônia de Lisboa, de Arapiraca, e Graciliano Ramos, de Palmeira dos Índios, representarão a rede estadual alagoana na Febrace USP no período de 19 a 21 de março
/ Foto: Reprodução
Diário Arapiraca com assessoria

 Duas escolas de ensino integral representarão a rede estadual alagoana na maior feira científica pré-universitária do país, a Feira de Ciências e Engenharia da Universidade de São Paulo (Febrace USP). As escolas estaduais Izaura Antônia de Lisboa, de Arapiraca e Graciliano Ramos, de Palmeira dos Índios compõem a comitiva alagoana – que conta também com o Sesi e o Instituto Federal de Alagoas (IFAL) – e apresentarão seus projetos no período de 19 a 21 de março no Espaço Inova USP.

Em comum, os dois projetos se destacam por apresentarem uma solução sustentável para itens comumente encontrados nas comunidades onde os estudantes residem. A Escola Graciliano Ramos levará para feira o xampu à base de palma e juá, enquanto a Escola Izaura Antônia de Lisboa apresentará a farinha produzida a partir das folhas da moringa. Ambos com fabricação fácil e caseira.

Cabelos saudáveis – Em Palmeira dos Índios, o xampu à base de palma e juá desenvolvido pelas estudantes Sabrina Duarte, Daysiane Lopes, Laísa Brandão, Lauane Melo, Paula Nunes e Renata Soares sob a orientação da professora Amparo Nunes e com apoio da professora de Química nasceu, literalmente, no quintal da casa das estudantes, já que as meninas são moradoras de povoados rurais onde essas plantas são bastante comuns.

O juá, popularmente usado na higienização dos dentes e a palma, tradicional ingrediente da ração de animais do campo, encontraram nova utilidade com o trabalho das garotas. A palma, segundo as estudantes, ajuda a eliminar a caspa e o juá espuma e tem propriedades de ação higienizante (a substância saponina). "Queríamos fazer algo que fosse natural, não agredisse o cabelo e ajudasse a comunidade a ter uma renda extra. Estamos ainda em fase de testes e já usamos em nossos cabelos. Os primeiros resultados tem sido bons", revelam as garotas.

A professora Amparo Nunes e a diretora adjunta Angélica de Cássia Ramos lembram que o produto nasceu a partir de uma atividade dos Projetos Integradores (PI), iniciativa cujo objetivo é envolver estudantes no desenvolvimento de projetos que beneficiem a comunidade local. “O PI nasceu justamente dessa necessidade de desenvolver algo em prol da comunidade", recorda a professora Amparo. “Por meio desse trabalho, elas poderão mostrar Palmeira dos Índios ao Brasil e trocar experiências com outros estudantes”, frisa a diretora Angélica de Cássia.

Combatendo a desnutrição- De Arapiraca, a Escola Estadual Izaura Antônia de Lisboa levará projeto que usa folhas da moringa para a produção de uma farinha que pode ser usada como suplemento alimentar no combate à desnutrição infantil. A planta, facilmente encontrada na divisa entre Arapiraca e Lagoa da Canoa, é um “milagre da natureza”, segundo afirmam os estudantes Mateus Felipe dos Santos e Samuel Vinicius da Silva.

“Para se ter ideia da riqueza nutritiva da moringa, ela tem 25 vezes mais ferro que o espinafre, 17 vezes mais cálcio que o leite e 15 vezes mais potássio que a banana. Por isso, pensamos em desenvolver essa farinha como um suplemento alimentar para ser usado no combate à desnutrição, podendo ser usado, por exemplo, em sucos, no feijão”, contam Mateus e Samuel.

Veterana da Febrace – esta será sua décima participação - a professora de Química Nadja Souza diz sentir a mesma emoção que sentiu na sua primeira ida à feira, em 2010. Ela aponta os benefícios que a iniciação científica traz para os estudantes da Educação Básica. “Eles não só se desenvolvem melhor nas áreas pesquisadas, mas em todas as disciplinas. Por exemplo, a Febrace exige a produção de um artigo científico segundo as normas da ABNT e isso faz com que o aluno aprimore as habilidades em Língua Portuguesa”, avalia Nadja.

A diretora adjunta Rejane Rolim concorda. “Os estudantes envolvidos em pesquisas são uma referência para os demais alunos da escola, incentivando-os a estudar mais para que possam também participar das pesquisas”, revela Rejane.

Projetos de Alagoas – Confira abaixo a lista dos oito projetos que representarão Alagoas na Febrace 2019:

“Cuidando da saúde dos cabelos com a palma e o juá” – Escola Estadual Graciliano Ramos, Palmeira dos Índios”;

“Produção de farinha das folhas da moringa para ser inserida como suplemento em preparações alimentícias de crianças desnutridas” – Escola Estadual Izaura Antônia de Lisboa, Arapiraca;

“Acusticoco: painéis para condicionamento acústico composto por fibra de coco aplicados em sala de aula” – Escola Sesi de Educação Básica Abelardo Lopes, Maceió;

“Avaliação da atividade inseticida dos extratos orgânicos do pinhão roxo frente ao Aedes aegypti” – Ifal Palmeira dos Índios;

“Ecovitreo” - Unidade Integrada SESI/ SENAI Carlos Guido Ferrario Lobo, Maceió;

“Medificações – Ferramenta Eletrônica para técnicos em edificações” – Ifal Coruripe;

“Robô Maria Farinha” – Ifal Maceió

“Irrigação automática de baixo custo com dois sistemas tempo/umidade” – Ifal Arapiraca.

 


Link da página:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Arapiraca