OUÇA AO VIVO A 96FM
(82) 98876-8488 Whatsapp Diário Arapiraca
Dólar hoje R$ 5,204 Arapiraca, AL 22ºC Tempo nublado
Editorias
25/03/2024 19:30
Política

Ida de Bolsonaro à embaixada da Hungria vai ser investigada pela PF

Ex-presidente teria ficado por duas noites na embaixada do país europeu dias após operação que apreendeu o passaporte dele
O ex-presidente Jair Bolsonaro / Foto: Cristiano Mariz / Agência O Globo
Redação com O Globo

A Polícia Federal irá investigar qual foi a intenção do ex-presidente Jair Bolsonaro de passar dois dias na embaixada da Hungria, em Brasília, após ter seu passaporte apreendido durante uma operação em que apurava uma tentativa de golpe de Estado. Segundo investigadores, é prematuro dizer neste momento que Bolsonaro estava tentando escapar da Justiça brasileira, mas é preciso esclarecer a motivação de ele ter permanecido na embaixada de 12 a 14 de fevereiro, além de confirmar a veracidade das informações.

A ida do ex-presidente ao prédio da representação húngara foi revelada por imagens de câmera de segurança obtidas pelo jornal The New York Times. Em nota, o ex-presidente confirmou ter passado dois dias no local, onde "ficou hospedado" para "manter contatos". Em São Paulo, num evento do PL, Bolsonaro disse que frequenta embaixadas pelo Brasil e conversa com embaixadores.

 

Por que Jair Bolsonaro passou dois dias na embaixada da Hungria?
Alvo de investigações por uma suposta trama golpista, fraude no cartão de vacinação e desvio de joias do acervo presidencial, Bolsonaro não poderia ser preso dentro de uma embaixada estrangeira, uma vez que prédios consulares são protegidos por convenções internacionais e não estão ao alcance das autoridades do país.

Segundo as imagens, o ex-presidente aparece na embaixada acompanhado de dois seguranças e do embaixador húngaro, Miklós Halmai.

Um funcionário da embaixada húngara teria confirmado ao NYT o plano de receber Bolsonaro. Segundo o jornal, o ex-presidente poderia estar se valendo da sua amizade com o Viktor Orbán, da Hungria, para uma possível tentativa de se ver livre da Justiça. A defesa de Bolsonaro rebate essa informação, dizendo que Bolsonaro e o embaixador se reuniram para discutir "cenários políticos das duas nações".

 

"Nos dias em que esteve hospedado na embaixada magiar, a convite, o ex-presidente brasileiro conversou com inúmeras autoridades do país amigo, atualizando os cenários políticos das duas nações. Quaisquer outras interpretações que extrapolem as informações aqui repassadas se constituem em evidente obra ficcional, sem relação com a realidade dos fatos e são, na prática, mais um rol de fake news", afirmaram, em nota, os defensores Paulo Bueno, Daniel Tesser e Fabio Wanjgarten.

Interlocutores da área diplomática disseram ao GLOBO que, pelo menos por enquanto, não se cogita uma convocação do embaixador da Hungria em Brasília para esclarecimentos sobre a ida de Bolsonaro. Um diplomata resumiu que o caso "é mais com o STF do que conosco".

 

Viktor Orbán já defendeu Jair Bolsonaro

Expoente da direita e aliado de primeira hora de Bolsonaro, Orbán saiu em defesa do ex-presidente brasileiro dias antes de ele passar as noites na embaixada do país após ter o passaporte apreendido. Na ocasião, em uma rede social, Orban publicou uma foto com Bolsonaro e o incentivou a "continuar lutando".

O NYT analisou imagens de três dias de quatro câmeras na embaixada da Hungria, mostrando que Bolsonaro chegou na noite de segunda-feira, 12 de fevereiro, e partiu na tarde de quarta-feira, 14 de fevereiro. 

Um funcionário da embaixada húngara, que falou sob condição de anonimato, teria confirmado ao NYT o plano de receber Bolsonaro. O advogado de Bolsonaro não quis comentar. A Embaixada da Hungria não respondeu a um pedido de comentário.

Jair Bolsonaro e Viktor Orbán mantêm relacionamento próximo

Bolsonaro e Orbán mantêm um relacionamento próximo há anos. Bolsonaro chamou Orbán de seu “irmão” durante uma visita à Hungria em 2022. Mais tarde naquele ano, o ministro das Relações Exteriores da Hungria perguntou a um funcionário do governo Bolsonaro se a Hungria poderia fazer alguma coisa para ajudar a reeleger Bolsonaro, de acordo com o governo brasileiro.

Em dezembro de 2023, Bolsonaro e Orbán se reuniram em Buenos Aires na posse do novo presidente de direita da Argentina, Javier Milei. Lá, Orbán chamou Bolsonaro de “herói”.

 

 

 

 


winz.io
winz.io
Link da página:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Política
KTO
KTO