OUÇA AO VIVO A 96FM
(82) 98876-8488 Whatsapp Diário Arapiraca
Dólar hoje R$ 5,204 Arapiraca, AL 26ºC Tempo nublado
Editorias
17/04/2024 09:25
Política

Veja como votaram os senadores na PEC das Drogas

Matéria aprovada em dois turnos pelos senadores criminaliza o porte e a posse de qualquer quantidade de drogas
/ Foto: Agência Brasil
Redação com Metrópoles

Aprovada em dois turnos pelo senadores em plenário, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 45/2023, chamada de PEC das Drogas, será levada agora para a Câmara dos Deputados.

O texto aprovado criminaliza o porte e a posse de qualquer quantidade de drogas. Quem assina a proposta é o próprio presidente do Congresso Nacional, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

A matéria teve 53 votos favoráveis, 9 contrários e nenhuma abstenção em primeiro turno. Somente o PT orientou seus parlamentares a votarem contra a PEC.

Como requer a tramitação de uma PEC, a votação ocorreu depois de cinco sessões de discussão e um debate temático, que ocorreu na segunda-feira (15/4). Médicos e pesquisadores participaram do debate.

Toda proposta de emenda à Constituição tem que ser discutida e votada em dois turnos em cada Casa do Congresso e só é considerada aprovada se obtiver pelo menos três quintos dos votos dos deputados (308 votos) e dos senadores (49 votos) em cada um dos turnos.

Caso isso ocorra, a PEC é promulgada pelo Congresso e seu texto é inserido na Constituição Federal.

Entenda a PEC das Drogas aprovada por senadores

A PEC nº 45/2023 foi apresentada em setembro do ano passado, logo depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) retomar o julgamento sobre a descriminalização do porte de drogas, após oito anos de discussão.

Em março, o texto havia sido aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

A matéria transforma em crime a posse ou o porte de qualquer droga ilícita, independentemente da quantidade. Além disso, prevê que seja observada distinção entre traficantes e usuários, mas não detalha qual seria o critério de diferenciação.

Ao usuário, a proposta aponta aplicação de penas alternativas à prisão e tratamento contra a dependência química.

Na CCJ, Efraim acatou emenda apresentada pelo líder da oposição, Rogério Marinho (PL-RN), para que a distinção entre traficante e usuário seja observada “pelas circunstâncias fáticas do caso concreto”.


Link da página:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Política