OUÇA AO VIVO A 96FM
(82) 9-8808-7803 Whatsapp Diário Arapiraca
Dólar hoje R$ 5,254 Arapiraca, AL 20ºC Tempo nublado

Geral / Marcos Porto

Quem é Marcos Porto? Radialista desde 1985, locutor publicitário, noticiarista, repórter. Também atua como apresentador de eventos e em campanhas políticas. Natural do estado de Santa Catarina e adotado há muitos anos por Alagoas.
22/06/2022 07:19:23
‘Assassinato em massa’: verdade sobre a pandemia começa a ser registrada; leia
/ Foto:

‘Assassinato em massa’: verdade sobre a pandemia começa a ser registrada na literatura científica

“A maioria dessas mortes poderia ter sido evitada se os médicos tivessem sido autorizados a usar tratamento precoce”, afirmou o autor.

Todas as manipulações e aberrações ocorridas durante a pandemia começaram a ser registradas na literatura científica revisada por pares. Publicado recentemente no prestigiado periódico científico SNI – Surgical Neurology International, o artigo editorial “COVID UPDATE: What is the truth?” (Qual é a verdade?) detalha diversos aspectos de como a COVID-19 tem sido manipulada há dois anos, incluindo as mortes induzidas devido à sabotagem aos tratamentos da doença com medicamentos baratos, genéricos e sem patentes.

O autor do editorial, o norteamericano Russell L. Blaylock, pesquisador de neurociência, logo na abertura, usou palavras fortes. “A pandemia de COVID-19 é um dos eventos de doenças infecciosas mais manipulados da história, caracterizado por mentiras oficiais em um fluxo interminável liderado por burocracias governamentais, associações médicas, conselhos médicos, mídia e agências internacionais”, afirmou.

Ele fala dos médicos perseguidos e usa a palavra “asssassinato” sem nenhuma cerimônia. “Testemunhamos uma longa lista de intrusões sem precedentes na prática médica, incluindo ataques a especialistas médicos, destruição de carreiras médicas entre médicos que se recusam a participar do assassinato de seus pacientes e uma arregimentação maciça de assistência médica, liderada por indivíduos não qualificados com enorme riqueza, poder e influência”.

O autor fala sobre a intromissão externa sobre tratamentos. “Pela primeira vez na história americana, um presidente, governadores, prefeitos, administradores de hospitais e burocratas federais estão determinando tratamentos médicos baseados não em informações precisas cientificamente ou mesmo baseadas na experiência, mas sim para forçar a aceitação de formas especiais de cuidado e ‘prevenção’. – incluindo remdesivir, uso de respiradores e, finalmente, uma série de vacinas de RNA mensageiro essencialmente não testadas. Pela primeira vez na história do tratamento médico, os protocolos não estão sendo formulados com base na experiência dos médicos que tratam o maior número de pacientes com sucesso, mas sim indivíduos e burocracias que nunca trataram um único paciente – incluindo Anthony Fauci, Bill Gates, EcoHealth Alliance, CDC, OMS, oficiais estaduais de saúde pública e administradores hospitalares”.

“Apagão da verdade”
“Os meios de comunicação (TV, jornais, revistas, etc), as sociedades médicas, os conselhos médicos estaduais e os donos das redes sociais têm se apontado como a única fonte de informação sobre essa chamada “pandemia”. Sites foram removidos, médicos clínicos altamente credenciados e experientes e especialistas científicos no campo de doenças infecciosas foram demonizados, carreiras foram destruídas e todas as informações divergentes foram rotuladas de ‘desinformação’ e ‘mentiras perigosas’, mesmo quando provenientes de especialistas de topo nas áreas de virologia, doenças infecciosas, cuidados intensivos pulmonares e epidemiologia. Esses apagões da verdade ocorrem mesmo quando essas informações são apoiadas por extensas citações científicas de alguns dos especialistas médicos mais qualificados do mundo. Incrivelmente, mesmo indivíduos, como o Dr. Michael Yeadon, um ex-cientista-chefe aposentado e vice-presidente da divisão científica da empresa farmacêutica Pfizer no Reino Unido, que acusou a empresa de fazer uma vacina extremamente perigosa, é ignorado e demonizado”, escreveu o autor.

Ataques a cientistas
“Dr. Peter McCullough, um dos especialistas mais citados em seu campo, que tratou com sucesso mais de 2.000 pacientes com COVID usando um protocolo de tratamento precoce (que os chamados especialistas ignoraram completamente), foi vítima de um ataque particularmente cruel por aqueles que se beneficiam financeiramente das vacinas. Ele publicou seus resultados em revistas revisadas por pares, relatando uma redução de 80% nas hospitalizações e uma redução de 75% nas mortes usando tratamento precoce. Apesar disso, encontra-se sob uma série implacável de ataques dos controladores de informação, nenhum dos quais tratou um único paciente”, explicou.

Ataques a todos que tratam COVID
“Nem Anthony Fauci, o CDC, a OMS nem qualquer estabelecimento médico governamental jamais ofereceu qualquer tratamento precoce além de Tylenol, hidratação e chamar uma ambulância quando você tiver dificuldade em respirar. Isso é sem precedentes em toda a história da assistência médica, pois o tratamento precoce de infecções é fundamental para salvar vidas e prevenir complicações graves. Essas organizações médicas e cães de colo federais não apenas nem sugeriram tratamento precoce, como também atacaram qualquer um que tentasse iniciar tal tratamento com todas as armas à sua disposição – perda de licença, remoção de privilégios hospitalares, vergonha, destruição de reputações e até prisão”, escreveu o autor.

Dogmas e ataques via periódicos científicos
“Outra tática inédita é remover médicos dissidentes de suas posições como editores de periódicos, revisores e retratar seus artigos científicos de periódicos, mesmo depois que esses artigos tenham sido impressos. Até esse evento de pandemia, nunca vi tantos artigos de periódicos sendo retirados – a grande maioria promovendo alternativas ao dogma oficial, especialmente se os artigos questionam a segurança das vacinas. Normalmente, um artigo ou estudo submetido é revisado por especialistas na área, chamado de revisão por pares. Essas revisões podem ser bastante intensas e detalhadas, insistindo que todos os erros dentro do artigo sejam corrigidos antes da publicação. Assim, a menos que a fraude ou algum outro grande problema oculto seja descoberto após a publicação do artigo, o artigo permanece na literatura científica”, afirma o autor.

Em outro trecho, sobre este assunto, ele explica o momento atual. “Estamos testemunhando agora um número crescente de excelentes artigos científicos, escritos por especialistas de ponta na área, sendo retirados das principais revistas médicas e científicas semanas, meses e até mesmo anos após sua publicação. Uma revisão cuidadosa indica que em muitos casos os autores ousaram questionar o dogma aceito pelos controladores das publicações científicas – especialmente no que diz respeito à segurança, tratamentos alternativos ou eficácia das vacinas. Estas revistas dependem de ampla propaganda por parte das empresas farmacêuticas para sua receita. Vários casos ocorreram em que poderosas empresas farmacêuticas exerceram sua influência sobre os proprietários destas revistas para remover artigos que de alguma forma questionam os produtos destas empresas”.

Mídia orquestrada para enganar
“No que diz respeito à informação disponibilizada ao público, praticamente todos os meios de comunicação estão sob o controle destes gigantes farmacêuticos ou outros que estão a beneficiar desta ‘pandemia’. Suas histórias são todas iguais, tanto no conteúdo quanto nas palavras. Coberturas orquestradas ocorrem diariamente e dados massivos que expõem as mentiras geradas por esses controladores de informações são ocultados do público. Todos os dados que chegam pela mídia nacional (TV, jornal e revistas), bem como as notícias locais que você assiste todos os dias, vêm apenas de fontes ‘oficiais’ – a maioria das quais são mentiras, distorções ou completamente fabricadas de pano de fundo – todos destinado a enganar o público”, explicou.

“A mídia televisiva recebe a maior parte de seu orçamento publicitário das empresas farmacêuticas internacionais – isto cria uma influência irresistível para relatar todos os estudos elaborados em apoio a suas vacinas e outros chamados tratamentos. Somente em 2020 as indústrias farmacêuticas gastaram 6,56 bilhões de dólares em tais propagandas. A publicidade na TV farmacêutica totalizou 4,58 bilhões, um incrível 75% de seu orçamento. Isso compra muita influência e controle sobre a mídia. Especialistas mundialmente famosos em todos os campos de doenças infecciosas estão excluídos da exposição da mídia e da mídia social caso se desviem de alguma forma contra as mentiras e distorções engendradas pelos fabricantes dessas vacinas. Além disso, estas empresas farmacêuticas gastam dezenas de milhões em publicidade na mídia social, com a Pfizer liderando o pacote com 55 milhões de dólares em 2020”.

Assassinato em massa
Ao se referir a pandemia, o autor diz: “A maioria dessas mortes poderia ter sido evitada se os médicos tivessem sido autorizados a usar tratamento precoce com produtos como Ivermectina, hidroxicloroquina e uma série de outros medicamentos seguros e compostos naturais. Foi estimado, com base nos resultados dos médicos que trataram com sucesso os pacientes infectados, que das 800.000 pessoas que nos dizem ter morrido de Covid, 640.000 poderiam não só ter sido salvas, mas poderiam, em muitos casos, ter retornado ao seu estado de saúde pré-infecção se tivessem sido utilizados estes métodos comprovados. Esta negligência do tratamento precoce constitui um assassinato em massa. Isso significa que 160.000 teriam realmente morrido, muito menos do que o número de mortes nas mãos de burocracias, associações médicas e conselhos médicos que se recusaram a defender seus pacientes. Segundo estudos sobre o tratamento precoce de milhares de pacientes por médicos corajosos e atenciosos, setenta e cinco a oitenta por cento das mortes poderiam ter sido evitadas”.

“Por incrível que pareça, esses médicos experientes foram impedidos de salvar essas pessoas infectadas pela Covid-19. Deveria ser uma vergonha para a profissão médica que tantos médicos tenham seguido, sem pensar, os protocolos mortais estabelecidos pelos controladores da medicina”, complementou.

Medidas draconianas e máscaras
“As medidas draconianas estabelecidas para conter essa “pandemia” inventada nunca foram bem-sucedidas, como mascarar o público, bloqueios e distanciamento social. Vários estudos cuidadosamente feitos durante as temporadas anteriores de gripe demonstraram que máscaras, de qualquer tipo, nunca impediram a propagação do vírus entre o público”, explicou o autor.

“De fato, alguns estudos muito bons sugeriram que as máscaras realmente espalham o vírus, dando às pessoas uma falsa sensação de segurança e outros fatores, como a observação de que as pessoas estavam constantemente quebrando a técnica estéril ao tocar na máscara, remoção inadequada e vazamento de material infeccioso. aerossóis ao redor das bordas da máscara. Além disso, as máscaras estavam sendo descartadas em estacionamentos, trilhas de caminhada, colocadas em mesas em restaurantes e colocadas em bolsos e bolsas”.

“Poucos minutos depois de colocar a máscara, várias bactérias patogênicas podem ser cultivadas a partir das máscaras, colocando a pessoa imunossuprimida em alto risco de pneumonia bacteriana e as crianças em maior risco de meningite. Um estudo realizado por pesquisadores na Universidade da Flórida cultivaram mais de 11 bactérias patogênicas do interior da máscara usada por crianças nas escolas”.

“Também se sabia que as crianças não corriam praticamente nenhum risco de adoecer com o vírus ou transmiti-lo”.

“Além disso, sabia-se também que o uso de máscara por mais de 4 horas (como ocorre em todas as escolas) resulta em hipóxia (baixos níveis de oxigênio no sangue) e hipercapnia (altos níveis de CO2), que têm vários efeitos deletérios à saúde, inclusive prejudicando o desenvolvimento do cérebro da criança”.

“Sabemos que o desenvolvimento do cérebro continua muito depois dos anos de escola primária. Um estudo recente descobriu que crianças nascidas durante a “pandemia” têm QIs significativamente mais baixos – mas conselhos escolares, diretores de escolas e outros burocratas educacionais obviamente não se preocupam”.

Verificadores de fatos distorceram a realidade
“Os projetistas desta pandemia anteciparam uma reação do público e que grandes perguntas embaraçosas seriam feitas. Para evitar isso, os controladores alimentaram a mídia com uma série de táticas, uma das mais usadas foi e é o golpe de ‘verificação de fatos’. A cada confronto com evidências cuidadosamente documentadas, os ‘verificadores de fatos’ da mídia responderam com a acusação de ‘desinformação’ e uma acusação infundada de ‘teoria da conspiração’ que foi, em seu léxico, ‘desmascarada’. Nunca nos disseram quem eram os verificadores de fatos ou a fonte de suas informações de ‘desmascaramento’ – deveríamos apenas acreditar nos ‘verificadores de fatos’. Um processo judicial recente estabeleceu sob juramento que os ‘verificadores de fatos’ do Facebook usaram sua própria opinião da equipe e não especialistas reais para verificar ‘fatos’. Quando as fontes são de fato reveladas, elas são invariavelmente o CDC corrupto, a OMS ou Anthony Fauci ou apenas a opinião deles”, afirmou o autor no artigo.

Lista de “desinformações” que tornaram-se verdade
O autor fez uma lista de afirmações que foram rotuladas como “mitos” e “desinformação”, mas que mais tarde foram comprovadas como verdadeiras. Aqui alguns exemplos traduzidos:

As vacinas não podem proteger adequadamente contra novas variantes, como Delta e Omicron.

A imunidade natural é muito superior à imunidade da vacina e provavelmente é vitalícia.

A imunidade da vacina não apenas diminui após vários meses, mas todas as células imunes são prejudicadas por períodos prolongados, colocando os vacinados em alto risco de todas as infecções e câncer.

As vacinas COVID podem causar uma incidência significativa de coágulos sanguíneos e outros efeitos colaterais graves

Os proponentes da vacina exigirão vários reforços à medida que cada variante aparecer em cena.

Fauci vai insistir na vacina da covid para crianças pequenas e até bebês.

Passaportes de vacina serão necessários para entrar em uma empresa, voar em um avião e usar o transporte público

Haverá campos de internamento para os não vacinados (como na Austrália, Áustria e Canadá)

Comparação com a gripe de 1976
“No caso de todos os outros medicamentos e vacinas convencionais anteriores sob revisão da FDA, as mortes inexplicáveis ??de 50 ou menos indivíduos resultariam em uma interrupção na distribuição do produto, como aconteceu em 1976 com a vacina contra a gripe suína. Com mais de 18.000 mortes relatadas pelo sistema VAERS no período de 14 de dezembro de 2020 e 31 de dezembro de 2021, bem como 139.126 lesões graves (incluindo mortes) no mesmo período, ainda não há interesse em interromper este programa de vacinas mortais. Pior ainda, não há nenhuma investigação séria por qualquer agência governamental para determinar por que essas pessoas estão morrendo e sendo grave e permanentemente feridas por essas vacinas. O que vemos é uma série contínua de encobrimentos e evasões por parte dos fabricantes de vacinas e seus promotores”, explicou.

Estudos falsos para “queimar” hidroxicloroquina e ivermectina
“Para impedir ainda mais o uso dessas drogas, a indústria farmacêutica e Bill Gates/Anthony Fauci financiaram pesquisas falsas para argumentar que a hidroxicloroquina era uma droga perigosa e poderia danificar o coração. Para tornar este caso fraudulento, os pesquisadores administraram aos pacientes mais doentes de COVID uma dose quase letal da droga, numa dose muito maior do que a usada em qualquer paciente COVID pelo Dr. Kory, McCullough e outros “reais”, e médicos compassivos, médicos que estavam realmente tratando pacientes COVID.”, afirmou o autor.

“A mídia controlada, de cães de estimação, é claro, martelava o público com histórias sobre o efeito mortal da hidroxicloroquina, tudo com um olhar aterrorizado de pânico falso. Todas essas histórias de perigos da ivermectina mostraram-se falsas e algumas das histórias eram incrivelmente absurdas”, acrescentou.

Negligência
“Milhões foram deliberadamente mortos e aleijados, não apenas por esse vírus projetado, mas pela própria vacina e pelas medidas draconianas usadas por esses governos para ‘controlar a propagação da pandemia’. Não devemos ignorar as ‘mortes por desespero’ causadas por essas medidas draconianas, que podem ultrapassar centenas de milhares. Milhões morreram de fome em países do terceiro mundo como resultado. Somente nos Estados Unidos, dos 800.000 que morreram, reivindicados pelas burocracias médicas, bem mais de 600.000 dessas mortes foram resultado da negligência proposital do tratamento precoce, bloqueando o uso de medicamentos reaproveitados altamente eficazes e seguros, como hidroxicloroquina e ivermectina, e o uso forçado de tratamentos mortais como remdesivir e uso de ventiladores”, afirmou o autor.

Demissões de profissionais de saúde
“Para agravar tudo isso, por causa dos mandatos de vacinas entre todo o pessoal dos hospitais, milhares de enfermeiros e outros funcionários pediram demissão ou foram demitidos. Isso resultou em escassez crítica desses profissionais de saúde vitais e reduções perigosas de leitos de UTI em muitos hospitais. Além disso, como ocorreu no Lewis County Healthcare System, um sistema hospitalar especializado em Lowville, NY, fechou sua maternidade após a demissão de 30 funcionários do hospital devido às desastrosas ordens de vacinação do estado. A ironia em todos esses casos de demissão é que os administradores aceitaram sem hesitação essas perdas de pessoal em massa, apesar dos discursos sobre sofrer com a falta de pessoal durante uma ‘crise’. Isso é especialmente intrigante quando descobrimos que as vacinas não impediram a transmissão viral e a variante predominante atual é de patogenicidade extremamente baixa”, afirmou.

Conclusões do autor
O artigo é grande e detalha muito mais sobre diversos aspectos. A última frase do último parágrafo, em suas conclusões, é: “É hora de parar com essa insanidade e levar essas pessoas à justiça”

Fonte: https://medicospelavidacovid19.com.br/noticias/assassinato-em-massa-verdade-sobre-a-pandemia-comeca-a-ser-registrada-na-literatura-cientifica/


Link da página:
O portal Diário Arapiraca não se responsabiliza pelos conteúdos publicados nos blogs dos seus colaboradores.

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Marcos Porto
Postagens Anteriores123456Próximas Postagens